- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Negro ciúme

Domingos Gonçalves da Costa / Raúl Ferrão *fado alcantara*
Repertório de Fernanda Maria

Quando vieram dizer-me que fui traída
Senti-me só e vencida, chorei, confesso
E como louca fiquei para ali a um canto
Vertendo o amargo pranto que nunca esqueço


Pois ver a gente a derrocada dum sonho
Ao sopro vil e medonho duma paixão
É sentir lume, ódio rancor, negro ciúme
E jamais acreditar numa paixão

Não há dor mais profunda mais triste
Que a da mulher trocada por outra mulher
É veneno, é ciúme que existe
P'la mulher desprezada por quem adora e quer
Onde outrora era dia risonho
Cai a fria noite negra e sem luar
É tão triste meu Deus, tão medonho
Que eu canto esta dor, c'oa alma a chorar


Fui ter com ela e o que lhe disse não sei
Sei apenas que chorei de raiva e dor
Pois nos seus olhos bailava a negrura enorme
Dum coração frio que dorme sem ter amor


E uma praga lhe roguei em pleno rosto
Que Deus lhe desse um desgosto igual ao meu
E hoje ao ver-me, essa mulher foge de mim

Meu amor voltou p'ra mim, e ela sofreu