- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.570 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Maldito fado

Pedro Bandeira, Alvaro Leal / Raúl Ferrão
Versão do repertório de Carlos Zel
-
Criação de Alberto Reis, no Palácio Foz (década de 1920).
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*
-

Ele era um bom rapaz, trabalhador
Um operário leal cumprindo o bem
Vint'anos de ilusões brotando em flor
E uma terna afeição por sua mãe

Mas um dia fatal, os companheiros
Levaram-no à taberna onde parava
A malta dos vadios e desordeiros
Dos quais um à guitarra assim cantava

Um fadinho a soluçar
Faz de nós afugentar 
A ideia da própria morte
Mata a dor, mata a tristeza
O fado é bendita reza 
Dos desgraçados sem sorte
Tem tal dor e mágoa tanta
Quando canta uma garganta
De quem vive amargurado
Que o refúgio preferido
P’ra quem viver dolorido
Está na doçura do fado

Esta triste canção foi mau agoiro
Que a vida lhe viesse transtornar
Tomou gosto à taberna, o matadoiro
E em breve deixou de trabalhar

Uma ideia tenaz e doentia
Trazia-lhe a cabeça transtornada
Chorar, fazia a mãe, quando o ouvia
Já ébrio, ao regressar de madrugada


Esta última estrofe, talvez por razões de demasiada 
extensão da letra, raramente é cantada.

Deixando a mãe sem forças p’ra lutar
Vendo a fome no lar não se importou
E um dia sem razão, sem vacilar
Abriu uma navalha: assassinou

Para onde se vai sem voltar mais
Condenado ao degredo, lá partiu
E, enquanto a mãe tombava sobre o cais
Ao longe a voz d’ele ‘inda se ouviu