- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Casa dos Bicos

Francisco Branco Rodrigues / Popular *fado corrido*
Repertório de Vicente da Câmara

Da famosa Mariquinhas
Em fado alegre e pimpão
Cantou-se e fez tradição
Sua casa e tabuinhas

Mas esqueceram-se as alminhas / Que quase a chegar a Alfama
Outra casa a atenção chama / Porque è toda de pedrinhas

Sem palavras vãs e tolas / Nem quaisquer apaparicos
Eu canto a Casa dos Bicos / Lá no Campo das Cebolas

Ali não se canta o fado; / Nem qualquer mulher mesquinha
Àquela casa alfacinha / Tem o seu nome ligado

È velhinha e faz lembrar / A marinhagem de então
Pois cada bico è padrão / Dos nossos feitos no mar

Casa de pedras velhinhas / Toda de bicos talhada
Tens direito a ser cantada / Mesmo sem teres tabuinhas