- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Marcha de Santo António

Cátia Oliveira / Valter Rolo
Repertório de Liliana Martins

Tudo faz sentido se acorda bonito
O sol à minha porta, manhã cedo
Leva embora a mágoa, lava mais do que água
Cura-mea tristeza e o medo

Se traz chuva o dia, nada me alivia
O coração partido desta hora
Noite que consome, quase morre à fome
A alegria que tarda e demora

Mas sei que um dia não há-de ser São Pedro
A desdizer a vontade que há em mim
E há-de a chuva vir e trazer o vento
Há-de brandir até o Senhor do Bonfim;
Mas eu nasci pra ser feliz, amor
E o sol há-de nascer dentro de mim
Desde que acorde até a noite vir
Mesmo sem te ter hei-de sorrir

Tudo faz sentido, quando vens, querido
Por breve que seja a nossa paz
Levo embora as fúrias, esqueço as  injúrias
Deixo pra depois as horas más

É pouca a poesia, é triste a melodia
Que o adeus no fim sempre me deixa
Hás-de vir mais tarde, já no peito me arde
A dor de quem não tem direito a queixa

Mas sei que um dia ao ouvir me o Santo António
Há-de chamar-me a subir ao seu altar
Quer sejas tu, meu amor quem lá me espera
Quer tu não sejas e eu tenha outro par;
Quero ir feliz no meu vestido, amor
E sei que o santo há-de olhar por mim
Desde que acorde até a noite vir
Mesmo sem te ter hei-de sorrir