- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Rosa do rio

Manuel Carvalho / Raúl Pinto
Repertório de Manuel Soares 

Num sombrio rés-do-chão
Da rua dos Canastreiros
Viveu a Rosa Maria
Mesmo defronte ao Reimão
Onde rufias barqueiros
Iam ao fado vadio

Nesse rés-do-chão sombrio
Só tinha por companhia / A sua velha redoma
Havia sempre um pavio
Aceso de noite e dia / À senhora da Vandoma

Amou fidalgos artistas
Assumiu de corpo inteiro / Seus pecados com vaidade
Riu-se das suas conquistas
Apenas um marinheiro / A fez chorar de saudade

Lavava roupa no Douro
Passava o tempo a brunir / P’ra seu sustento danado
Sua voz era um tesouro
Ao destino quis fugir / Mas morreu cantando o fado