- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canto aquilo que escrevi

Silveste José / Alfredo Duarte *fado cravo*
Repertório de José Guerreiro

Canto aquilo que escrevi
As mágoas que já vivi
A razão dos meus dilemas
Comecei com um rascunho
E agora com o meu punho
Vou escrevendo alguns poemas

Em cada letra que invento
Vou buscar o meu sustento / Que me dá vida e vigor
Escrevo a minha liberdade
Também escrevo com saudade / E faço versos de amor

Escrevo a minha descoberta
Procuro a palavra certa / Cada palavra è encanto
Escrevo dor e alegria
Dou largas à fantasia / Escrevo ao riso e ao pranto

Cada verso è uma aventura
Poesia, minha loucura / Luta que nunca perdi
Ao cantar aquilo que escrevo
Dou ao fado aquilo que devo / Canto aquilo que escrevi