- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

A cinza nunca está morta

Maria de Jesus Facco Viana / José Bacalhau *fado bacalhau*
Repertório de Vicente da Câmara

A cinza nunca está morta
Resta sempre uma centelha
Do lume que se apagou
Como a quem tudo suporta
Mesmo já depois de velha
Alguma vida ficou

Quantas vezes o ciúme
Surge tão forte e tão tarde / Verdadeiro e apaixonado
Na cinza renasce o lume
Quem julga que ela não arde / È louco e fica queimado

Todo o mistério tem vida
Toda a morte è aparente / E tudo a cinza retém
Cinza sagrada ungida
Na fronte de toda a gente / 
Que aceita não ser ninguém