- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A cigarra e a formiga

Carlos Conde / Alfredo Duarte
Repertório de Alfredo Marceneiro

Aquela fábula antiga
Da cigarra e da formiga
Mudou de forma invulgar
Hoje a formiga é criada
De uma cigarra emproada
Com manias de cantar

Enquanto uma se atrofia
Na lida do dia a dia / Entregue a labor insano
Faz a outra recitais
E num dia junta mais / Do que a primeira num ano

Essa lenda em que a cigarra
Tinha a mania bizarra / De só de inverno esmolar
Já lá vai, já se acabou
E como tudo mudou / Nem disso se quer lembrar

A formiga é caprichosa

Mas a cigarra orgulhosa / De uma vida de cantigas
Finge até não dar por nada 
Só p’ra não ter a maçada / De sacudir as formigas