- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O lenço

Henrique Rego / Popular *fado menor*
Repertório de Alfredo Marceneiro

O lenço que me ofertaste
Tinha um coração no meio
Quando ao nosso amor faltaste
Eu fui-me ao lenço e rasguei-o

Inda me lembro esse lenço / Vindo do eu seio túmido
Escondi-o ainda húmido / No peito com fogo intenso;
E se acaso hoje penso / Do qual, infantil receio
Muito orgulhoso guardei-o / Lamento a minha loucura;
Porque esse lenço, perjura
Tinha um coração no meio

Esse coração bordado / Por triste sina era o meu
E por isso ele morreu / Quando o lenço foi rasgados
Foi-se a chama do passado / Pois em cinzas sepultaste
Este amor que atraiçoaste / O que serve a dor incalma
Vesti de luto minh’alma
Quando ao nosso amor faltaste

Vejo uns sorrisos, afagos / Que me deste, hei-de esquecê-los
Pois os seus doces desvelos / Com meus beijos foram pagos
Teus olhos eram dois lagos / Lascivo era o teu seio
Foi tudo efêmero enleio / Breve fugaz ilusão
Magoaste-me o coração
Eu fui-me ao lenço e rasguei-o

Nota:
Penso que esta letra está incompleta visto que me parece ser uma glosa em décimas.
Se alguém tiver como me ajudar a dissipar esta dúvida, agradeço!