- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canção de amor e piedade

Letra e musica de Carlos Tê
Repertório de Cristina Branco

Olha...
És o penso na ferida tão pisada e dorida
Que ainda trago no peito
Sem fechar, a sangrar e que nega o simples direio
De ir á minha vida e virar esta página negra e vencida

Sabes... 
O amor é lealdade, ou é uma meia verdade
Que em certos momentos sai da boca sem piedade
Em fragmentos de estratégia pura
Só p'ra sobreviver á doença sem cura
Que deixa um sulco de dôr e prazer

Como eu gostava de poder amar-te com todo o meu ser
Mas estou ocupada a sofrer
Meu querido, dá-me um abraço e ajuda-me a esquecer
Rega o meu pobre deserto
Que parece crescer quando o outro não está perto

Olha...
Quero aqui prometer
Meu coração fingido vai fazer por merecer esse amor imerecido
Até lá és apenas um bálsamo do meu orgulho abatido
Se puderes esperar
Talvez um dia eu possa amar