- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fadistas da velha guarda

Poema de Luciano Marques

Em tempos que já lá vão
O fadista era gingão / Alcunhado de rufia
De calça estreita e samarra
Chapéu largo e uma guitarra / Era alguém na Mouraria

Gostava de ir ao Charquinho
Aonde havia bom vinho / E fresca sardinha assada
Outros mais para lá iam
E todos se divertiam / Em fados à desgarrada

Ia ao Ferro d’Engomar
Muitas vezes petiscar / Ou mesmo ao Senhor Roubado
E sempre de farra em farra
Entre mãos uma guitarra / O corrido era seu fado

Agora tudo mudou
A Mouraria passou / Para a tela dos artistas
No seu lugar uma praça
Por onde o fado não passa / Nem já lá param fadistas

Agora não há gingões
Quem canta, canta canções / Direito, bem aprumado
E a alcunha do fadista
Passou a ser a de artista / Que ao swing, chama fado

Um apelo, agora, faço
Vai com ele o meu abraço / Para o fado que cobiço
Que os novos que o palco tem
Passem a cantar, também / O nosso fado castiço