- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cantigas da Mouraria

Letra e musica de Frederico de Brito
Repertório de Fernanda Maria

Cantigas da Mouraria
Feitas de raiva e ciúme
Podem nunca ter poesia
Mas trazem sempre um queixume

Cantigas que são lamentos
Acordes dum triste fado
E arraste de passos lentos
De quem já vive cansado

São estas cantigas retalhos de trovas
Lendas engraçadas
Que ás vezes cantadas parecem mais novas
São uivos do vento, bramidos do mar
Na tristeza infinda
São coisas que ainda nos fazem chorar

São juras de amor sombrio
Loucuras d'alma perdida
Insultos de desafio
No seu desafio à vida

Sonhos de glórias antigas
Fado que nos perseguia
Há tudo nestas cantigas
Cantigas da Mouraria