- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.603.800 VISITAS < > OUTUBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Talvez um dia, quem sabe

Carlos Escobar / Vital D’Assunção
Repertório de João Tenreiro


Talvez um dia, quem sabe / O amor tenha razão
E o braço que tem desejo / Na loucura deste beijo
Dê razão ao coração

O azul do teu olhar / Tem um negro de ternura
Agarras um grito rouco / Pelo muito que foi pouco
Pelo medo da loucura


Ó Deuses rezem por mim
Por razões que não vos dei
Quero o meu ombro cheiinho
Se o mereço Deus, não sei

Ter amor é dar o braço / É um olhar de revés
Dois olhares, cumplicidade / Num olhar que dá verdade
Da verdade que tu és


Verdade que tenho em mim / De um perdão que não me cabe
Ilusão de amor perdido / Num perdão de amor sofrido
Talvez um dia, quem sabe