- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Os seres são o que são

Letra e musica de Paco Bandeira
Repertório de Lúisa Basto

É sempre tarde demais ou ‘inda é cedo
Nunca estou a horas certas c’oa razão
Já tenho chegado a tempo, porém quando chego
Não é a razão que encontro, é outra a condição;
Desesperar ou desistir não adianta
Os seres são o que são

Viver aqui é sempre um desatino
Um desencontro de passagem
Um fado que é fatal como o destino
Uma miragem

Há que aprender a viver na realidade
Ler p’ra lá do que se escreve, o que se diz
Quantas vezes é mentindo que se fala verdade
E dizendo bem por vezes, tudo se desdiz;
É necessário aprender muita maldade
P’ra viver bem aqui

Entre a maldade escondida dos *faz-de-conta*
E a piedosa bondade da oração
Existe ao direito á vida que p’ra muitos não conta
O que conta é a conta, o nome, a posição
Barafustar, discutir, não adianta
Os seres são o que são