- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Perfume

Letra e musica de Carlos Paião
Repertório de Dulce Guimarães

Trazes perfume quando vens a andar
Em cada gesto assim à solta
E perfumando deixas no ar
Um tom macio à tua volta
Tens um perfume enorme no sorriso
Quando me dizes “olá como vais?”
Perfumas frases eu improviso
Invento as coisas mais banais

E perfumando, enfeitiçado, estás aí
E já mais nada vale nada ao pé de ti
Fico presa nesse lume
Que me quer incendiar, com perfume

Esse perfume belo sem senão
Está nos teus dedos que me vão ferir
Vem lá dentro, tem o condão
De refrescar os dias que hão-de vir
E perfumando a vida verso a verso
És a razão deste meu conto
E neste canto do universo
Há um perfume em que te encontro