- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Não me chamem pelo nome *Mísia*

António Botto / José Marques do Amaral
Repertório de Misia

Quem é que abraça o meu corpo

Na penumbra do teu leito
Quem é que beija o meu rosto
Quem é que morde o meu peito

Quem é que fala na morte / Docemente ao meu ouvido
És tu senhor dos meus olhos / E sempre no meu sentido

A tudo quanto me pedes / Porque obedeço, não sei
Quiseste que eu cantasse / Pus-me a cantar... e chorei

Não me peças mais canções / Porque a cantar vou sofrendo
Sou como as velas do altar / Que dão luz e vão morrendo

Não me chamem pelo nome / Que me deram ao nascer
Sou como a folha caída / Que não chegou a viver

Meus olhos que por alguém / Deram lágrimas sem fim
Já não choram por ninguém / Basta que chorem por mim

O que é que a fonte murmura / O que é que a fonte dirá
Ai, amor, se houver ventura / Não me digas onde está