- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

BARRA DE PESQUISA

Para quê?!

Florbela Espanca / Ricardo Cruz
Repertório de Silvia Filipe

Tudo é vaidade neste mundo vão
Tudo é tristeza, tudo é pó, é nada
E mal desponta em nós a madrugada
Vem logo a noite encher o coração

Até o amor nos mente, essa canção
Que o nosso peito ri à gargalhada
Flor que é nascida e logo desfolhada
Pétalas que se pisam pelo chão

Beijos de amor!... p’ra quê?!... tristes vaidades
Só neles acredita quem é louca
Sonhos que logo são realidades
Beijos de amor que vão de boca em boca

Que nos deixam a alma como morta
Como pobres que vão de porta em porta