- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Caça

Letra e música de Jorge Fernando
Repertório do autor

A terra, a mata, a caça, o homem e o cão
O vento que passa indiferente, passeia a solidão
As vidas que podem se escondem temendo a intenção
Os olhos, o ponto de mira, o chumbo e o coração

Aposto que apostam um copo a quem matar mais
Por graça a negaça que nega a vida aos animais
A ave voando, ignorando que há sentimentos tais
A lebre correndo, temendo latidos infernais

Não á morte, não á morte
Sem razão de ser, só por prazer
Não á morte, não á morte

Matar por prazer, sem razão de ser

O homem orgulho, orgulhoso de grande caçador
A sede, a garganta, o vinho que quanto mais melhor
As botas, as ervas calcadas e ao longe um lavrador
As mãos que em contraste semeiam a terra com amor

A vida roubada sem nexo só para distração
A terra arada, lavrada e transformada em pão
Pricípios distintos diversos na mesma criação
A terra, a mente, o instinto, o homem e o cão