- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Montras

Letra e musica de Pedro Campos
Repertório de Mariza

Ando na berma, tropeço na confusão
Desço a avenida e toda a cidade estende-me a mão
Sigo na rua, a pé, a gente passa apressada falando, o rio defronte
Voam gaivotas no horizonte

Só o teu amor é tão real
Só o teu amor

São monstras, ruas e o transito não pára ao sinal;
São mil pessoas atravessando na vida real
Os desenganos, emigrantes, ciganos, um dia normal
Como a brisa que sopra do rio ao fim da tarde
Em Lisboa afinal

Gente que passa, a quem se rouba o sossego
Gente que engorossa as filas do desemprego
São vendedores, polícias, bancas, jornais
Como os barcos que passam tão perto, tão cheios
Partindo do cais