- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Contradições *dueto*

Popular? / Pedro Rodrigues

Aquele homem que ali vai
Mostra ter fraca aparência

Deve ser um malfeitor!...
Enganaste, é um bom pai
Trata a esposa com paciência

Trata os filhos com amor
---
A mulher que vês ali
Parece que anda perdida / Ou foi lançada aos maus trilhos
É falso, trabalha aqui
Aonde governa a vida / Para amparo dos seus filhos
---
Vem ali um marinheiro
Todo cheio de vaidade / Com a calça a dar a dar
Mas é um bom companheiro
Representa a heroicidade / De Portugal além mar
---
Que dirás também daquele
Rapaz, tristonho e sombrio / Que te vendeu o jornal?
Tem um destino cruel
Trabalha, tem fome e frio / E dorme no teu portal
---
Diz-me lá qual a razão
Porque te pedem esmola / Homens cheios de saúde?
É porque lhes falta o pão
Entraram na grande escola / Que faz manchar a virtude
---
Diz-me então porque a ralé
Anda á ponta de cigarros / Pelos pontos mais centrais?
É porque tu, no café
Com teus amigos bizarros / Os desperdiças demais
---

Já que a tudo me respondes
Não me posso defender / Sem o dom da hipocrisia
Respondo sim, porque escondes
Esta vida que há-de ser / Sempre assim, até um dia