- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Um motivo p'ra saudade

Paco Bandeira
Repertório de Nuno de Aguiar

Quando eu era moço, rapazinho de calção
Ouvia-se o fado como manda a tradição
Vinham os fadistas lá dos bairros populares
Que sem dar nas vistas mostravam como cantar

E tão sem vaidade tocavam o que sabiam
Que toda a cidade vibrava com o que diziam

Essses cantores, trovadores, amadores, os tais vadios
Reis e senhores, lidadores, conquistadores dos desafios
Eram artistas inspirados e valentes
Que não cantavam só p'ra se mostrar á gente;
Antes se davam com grandeza e com verdade
P'la fadistice, p'la dignidade
Claro que são um bom motivo p'rá saudade

Lembro o Zé da Amélia, os Porfírios que eram dois
Joaquim Campos, Chico Martinho depois
O Júlio Vieitas que era fadista escritor
O Filipe Pinto, um grande apresentador

No tempo do Luso era grande o seu talento
Ao lado da Amália e dos maiores do seu tempo