- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado das trincheiras

Félix Bernardes / João Bastos / António Melo 
Versão do repertório de Fernando Farinha 
-
Este fado foi cantado por Óscar de Lemos no filme João Ratão, realizado por Jorge Brum do Canto Cinema São Luiz, 1940
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*
-
O soldado na trincheira 
Não passa duma toupeira / Vive debaixo do chão 
Só pode ter a alegria 
De espreitar a luz do dia / Pela boca dum canhão 

 Mas quando chegar a hora 
Dele arrancar por aí fora / Ao som da marcha de guerra 
Seus olhos, são duas brasas 
E as toupeiras ganham asas / Como as águias lá da serra 

Rastejamos como sapos 
Com as fardas em farrapos / Pela terra de ninguém 
Mas cá dentro o pensamento 
Corre mais alto que o vento / Voando p'ra nossa mãe 
E se eu morrer na batalha 
Só quero ter por mortalha / A bandeira nacional 
E na campa de soldado 
Só quero um nome gravado / O nome de Portugal 

Soldados da nossa terra 
São voluntários da guerra / Que vêm bater-se por brio 
Raça de fogo e de glória 
Que escreveu na nossa história / Nos mundos que descobriu 

Por isso, a Pátria distante 
Reza em nós a cada instante / Como a luz duma candeia 
Que arde de noite e de dia 
No altar da Virgem Maria / Na igreja da nossa aldeia