- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Casinha dum pobre *F.Farinha*

Frederico de Brito / Martinho d'Assunção
Repertório de Fernando Farinha
 

Uma casinha dum pobre / È um cantinho dos céus
Por sob a telha que a cobre / Há sempre a graça de Deus

Tem mais graça mais encanto / Quanto mais pequena for
Estamos mais perto, portanto / Quanto mais perto melhor

Uma casa pequenina como a nossa
È uma benção divina
Que as nossas almas adoça
Braseiro que nos aquece primeiro
E nos conforta depois
Que pena ela não ser mais pequena
P'ra só cabermos os dois


A esperança è candeia acesa / A luz, esse ninho estreito
A fé è quem põe a mesa / E o amor serve de leito

O trabalho acende o lume / Que jamais se apagará

Não se abre a porta ao ciúme / Porque não cabia lá