- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Bati à porta da vida

Letra e música de Belo Marques
Repertório de Maria Valejo

-
Este tema foii cantado por Zurita de Oliveira (irmã do actor Camilo de Oliveira)
e por outros fadistas, como Filipe Duarte, Luísa Salgado e Maria Valejo.
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*
-

Bati à porta da vida / Para pedir um lugar
A dor abriu-me em seguida / Dizendo, podes entrar


Disse adeus ao meu natal / E entrei de olhos risonhos
Trazia por enxoval / Um baú cheio de sonhos


Estranha pousada sem luz nem repouso
Destino maldoso que um fado talhou
Gastei os meus olhos, perdi-me de mim
Não sei donde vim, nem sei onde vou;
Paguei a estadia, paguei o amor
Paguei o favor de ser desgraçada
Paguei a alegria pequena e mesquinha
Gastei quanto tinha e fiquei sem nada


Meu viver é vida morta / Que anseia por liberdade
Para ir de porta em porta / Matar a minha saudade


Eu quero ser uma escrava / E não mais te pertencer
Se até na vida se paga / Licença, para viver