- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Bati à porta da vida

Letra e música de Belo Marques
Repertório de Maria Valejo

-
Este tema foii cantado por Zurita de Oliveira (irmã do actor Camilo de Oliveira)
e por outros fadistas, como Filipe Duarte, Luísa Salgado e Maria Valejo.
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*
-

Bati à porta da vida / Para pedir um lugar
A dor abriu-me em seguida / Dizendo, podes entrar


Disse adeus ao meu natal / E entrei de olhos risonhos
Trazia por enxoval / Um baú cheio de sonhos


Estranha pousada sem luz nem repouso
Destino maldoso que um fado talhou
Gastei os meus olhos, perdi-me de mim
Não sei donde vim, nem sei onde vou;
Paguei a estadia, paguei o amor
Paguei o favor de ser desgraçada
Paguei a alegria pequena e mesquinha
Gastei quanto tinha e fiquei sem nada


Meu viver é vida morta / Que anseia por liberdade
Para ir de porta em porta / Matar a minha saudade


Eu quero ser uma escrava / E não mais te pertencer
Se até na vida se paga / Licença, para viver