- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aldeia ribeirinha

Maria Nélson / Jaime Santos 
Repertório de Manuel Fernandes 

Numa aldeia ribeirinha, portuguesa 
De uns humildes pescadores
As casinhas são iguais, por natureza
Há búzios em vez flores
 

Nas paredes onde há cheiro a maresia 
Quadros feitos de conchinhas
Dos milagres que fazia
Nossa Senhora da Guia
Quando acudia às alminhas  


Barcos parados na areia / Redes ao sol, a secar
À espera da maré cheia / Que há-de levá-las p'ro mar
O homem senta-se à porta / A brincar com a filharada
Enquanto a mulher, lá dentro / Vai fazendo a caldeirada
Numa aldeia ribeirinha, portuguesa
Não há riqueza / Mas há sempre uma sardinha  


Aos domingos vão à missa p'ra rezar
À Virgem Nossa Senhora
P'la vida daqueles que andam no mar
P'ra que os traga em boa hora  


E ali tudo é sincero e verdadeiro
Não há garfo, basta a mão
Fica em casa o fogareiro
Que a comida no braseiro 

Come-se em cima do pão