- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Reviver o passado

Alberto Rodrigues / Manuel Maria Rodrigues *marcha do manel maria
Repertório de Argentina Santos

Fui à procura do fado
P’ra saber onde vivia
Corri toda a Lisboa
Procurei em todo o lado
Fui à velha Mouraria
Bairro Alto e Madragoa

Por toda a parte escutei
Viras, sambas e canções / Num gosto mal prevertido
Confesso então que chorei
Que julguei por tais razões / Que o fado tinha morrido

Foi então que fui a Alfama
A esta velhinha eterna / E quem cá encontrei, por fim
O fado que a inflama
Dentro da tosca taberna / Uma voz cantava assim

Minha guitarra velhinha
O teu constante gemer / A minha tortura acalma
És parte da vida minha
Tornas mais leve o sofrer / Suavizas minha alma

E quando um dia partir
De vez, para a eternidade / Recorda meus tristes ais
Como não te posso ouvir
P’ra não sentir a saudade / Guitarra não toques mais