- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Em água e sal

Inês Pedrosa / Tiago Machado
Repertório de Marco Rodrigues

A luz, o sal do céu que é só teu
Desfez-se em lágrimas azuis
Só pr’acender o amor
São crus os medos que roubaste ao mar
No escuro aprendeste a cantar
Só p’ra esquecer a dor

Teu coração terno e fatal
Treme na mão em água e sal
És o maior, ris-te gingão
Da fama e fome que fizeste a tua canção

Seduz a voz bradando em clamor
Nesse teu corpo de navegador
Só p’ra lembrar essa paixão
Que fez da língua este nosso mar
Em cruz, o teu abraço faz-me mal
Nesse teu travo a vendaval
Quero voltar á lenta e louca ilusão
À dura e doce emoção do verbo amar

Na luz, o corpo, a alma, o prazer
O sonho, a raiva de viver sempre a fugir de nós

Teu coração terno e fatal
Treme na mão em água e sal
És o maior, ris-te gingão
Da fama e fome que fizeste a tua canção

O rosto desta terra azul
Tocada pelo vento sul
A infinita ilusão de outro lugar