- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Babel e Sião

Luiz Vaz de Camões / João Braga
Repertório de João Braga

Sôbolos rios que vão
Por Babilónia, me achei
Onde sentado chorei
As lembranças de Sião
E quanto nela passei

Ali, o rio corrente / De meus olhos foi manado

E, tudo bem comparado / Babilónia ao mal presente
Sião ao tempo passado

Ali, lembranças contentes / Na alma se representaram

E minhas cousas ausentes / Se fizeram tão presentes
Como se nunca passaram

Ali, depois de acordado / C’o rosto banhado em água
Deste sonho imaginado / Vi que todo o bem passado
Não é gosto, mas é mágoa

E vi que todos os danos / Se causavam das mudanças

E as mudanças dos anos / Onde vi quantos enganos
Faz o tempo às esperanças

Vi aquilo que mais vale / Que então se entende melhor

Quanto mais perdido for / Vi ao bem suceder mal
E, ao mal, muito pior

Aquele instrumento ledo / Deixei da vida passada

Dizendo: música amada / Deixo-vos neste arvoredo
À memória consagrada

Que não parece razão / Nem parece cousa idónea
Por abrandar a paixão / Que cantasse em Babilónia
As cantigas de Sião