- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.395 LETRAS <> 2.460.000 VISITAS <> ABRIL 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fui ao mar buscar sardinhas

Amália Rodrigues / Carlos Gonçalves
Repertório de Amália

Fui ao mar buscar sardinhas

Para dar ao meu amor
Perdi-me nas janelinhas
Que espreitavam do vapor

A espreitar lá do vapor / Vi a cara dum francês
E sejá lá como for / Eu vou ao mar outra vez

Eu fui ao mar outra vez / Ia o vapor de abalada
Já lá não vi o francês / Vim de lá toda molhada

Saltou-me de mim toda a esperança / Saltou do mar a sardinha
Salta a pulga da balança / Não faz mal, não era minha

Vou ao mar buscar sardinha / Já me esqueci do francês
A idéia não é minha / Nem minha nem de vocês

Coisas que eu tenho na idéia / Depois de ter ido ao mar
Será que me entrou areia / Onde não devia entrar?

Pode não fazer sentido / Pode o verso não caber
Mas o que eu me tenho rido / Nem vocês queiram saber

Não é para adivinhar / Que eu não gosto de adivinhas
Já sabem que eu fui ao mar / E fui lá buscar sardinhas

Sardinha que anda no mar / Deve andar consoladinha
Tem água, sabe nadar / Quem me dera ser sardinha!