- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sou tua

Domingos Gonçalves da Costa / Casimiro Ramos 
Repertório de Fernanda Maria 

Reneguei tuas promessas 
E juras de amor ardente / Até com certo rancor 
Disse-te assim, não sou dessas 
Que se embalam cegamente / Em juramentos de amor;
Meu Deus, como a boca mente 
Pois se te amo loucamente / Eu digo seja a quem for 

Sou tua... como o luar é da lua 
Como as pedras são da rua
E p'ra ser tua nasci 
Sou tua... tão tua que me convenço 
Que já nem a mim pertenço
Que sou um pouco de ti 
Sou tua... deixa-me gritar ao vento 
P'ra que o vento num lamento
Diga ao mar, à terra, ao céu 
Sou tua... e deixa que os olhos meus 
Só vejam p'ra ver os teus
Embora não sejas meu 

Às vezes sinto desejo 
De ofender-te, embora iluda / Meu coração a sofrer 
Mas fico, quando te vejo 
Tão pequenina, tão muda / Com tanto p'ra te dizer;
É então que a minha boca 
Porta voz desta alma louca / Murmura quase sem querer