- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Rosa cantadeira

João de Freitas / Alfredo Correeiro *marcha do correeiro*
Repertório de Júlio Peres

A Rosa cantava o fado
Mas o fado afadistado
O que nasceu na viela
E um fidalgo de samarra
Tocava a sua guitarra
Muita vez, em casa dela

Sua voz era o lamento
Nascida no sofrimento / Dum sofredor coração
Pois ela quando cantava
Parecia até que rezava / Em fervorosa oração

Todos gostavam da Rosa
Por ser crente e ser bondosa / Como fada benfazeja
E na rua onde morava
Assim que ela passava / Diziam: bendita seja

Um dia a Rosa partiu
Há quem diga que fugiu / Com o fidalgo apaixonado
Desde então nessa viela
Nunca mais souberam dela / 
Nem se cantou mais o fado