- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Um fado para Fred Astaire

Tiago Torres da Silva / Alfredo Duarte *menor-versículo*
Repertório de Cristina Nóbrega

No silêncio do meu quarto / de incerteza
Não vos sei dizer se morro / ou ressuscito
Faz-se noite quando parto / com tristeza
E talvez peça socorro / mas não grito

Quem diria que os teus pés / de bailarino
Entrariam para a história / da saudade
E que meio de viés / por teu destino
Brindarias à memória / que me invade

Quase toco a tua mão / presa ao ecrã
Mas tropeço nos meus passos / sem esperança
Não existe solidão / nem amanhã
Quando danço nos teus braços / de criança

Eu é que sou a menina / mas não quero
E não vou mudar de idade / e ai de mim
Se a memória só termina / e volta a zero
Quando acabar a saudade / que é sem fim