- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O mestre de obras

M.Candido / Manuel Maria Rodrigues *marcha do manel maria*
Repertório de Candido

Depois duma distinção
Num curso de construção
E o diploma tirado
Comprei pás e picaretas
Níveis, cimento, marretas
Fiquei na vida lançado

O meu primeiro trabalho
Foi a fachada de um talho / Que só me deu arrelias
Parecia um monumento
Mas como não pus cimento / Caíu ao fim de três dias

Mais tarde eu fiz um jazigo
E não minto se lhes digo / Tenho orgulho nessa obra
Hoje estou arrependido
De não o ter oferecido / À santa ma minha sogra

Vejam bem a minha sina
Fui fazer uma piscina / Mas o azar foi tamanho
Na sua inauguração
Houve uma perfuração / E já ninguém tomou banho

Há tempos fui contratado
Para fazer um telhado / Mas foi tão grande o relaxo
Usei só madeiras velhas
Quando puseram as telhas / O telhado veio abaixo

Tenho uns desenhos em mão
P’ra fazer uma prisão / Um trabalho de valor
Mas estou mesmo a calcular
Que o preso que a vai estrear / Deve ser o construtor