- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O mosquito mordeu-me o olho

Amália / Amélia Muge
Repertório de Amélia Muge


Passou um mosquito, mordeu-me no olho
Não vi a lagarta, comi o repolho

Comi a lagarta que o repolho tinha
E disse à lagarta que a couve era minha

E a lagartinha deu-me uma resposta
E eu não repito, que você não gosta

O raio da lagarta tão mal se portou
Um raio que a parta, tanto me enojou

Comi a lagarta, fiquei enjoada
Mordeu-me o mosquito e não vejo nada

Vejo agora ali aquilo que eu queria
Vi o que já vi, que é da minha tia

É o seu burrico que passa na estrada
Aqui já não fico, vou nele montada

Burro sem ser burro, burro sem burrice
Burro inteligente, que grande chatice

Sem andar p’rá frente, nem andar p’ra trás
Apanhou-me rente, deu um coice… zás