- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Velho fadista

Mote de Carlos Conde
António Vilar da Costa / Julio Proença *fado modesto*
Repertório de Alcindo de Carvalho

Na Mouraria, numa noite, a fadistagem
Cantava e ria numa sã camaradagem
Saudosamente ali estava ao nosso lado
Velho e doente, um fadista já cansado

Quando cantei, dediquei-lhe no Corrido
Uns versos em que falei num fadista já esquecido
Ele escutou, porém notei-lhe no rosto
O seu amargo desgosto, quando o passado lembrou

Ao terminar, ele sorrindo com mágoa
Veio-me abraçar, com os olhos rasos de água
E qual demente, desapertando a samarra
Nervosamente, abraçou uma guitarra

A banza trina, e ele encetou com fervor
Uma cantiga em surdina, no velho Fado Menor
Não terminou, pois coma alma em pedaços
Veio cair em braços, não pôde cantar, chorou