- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Conde afadistado

Alberto Rodrigues / José Duarte Seixal *fado seixal*
Repertório de Argentina Santos 

Certo conde afadistado
Veio a Alfama de repente
Como vinha bem trajado
Logo no bairro deu brado
E conquistou toda a gente

Rapazes e raparigas / Vêm p’ra rua num salto
Com vozes meigas, amigas / Entoam lindas cantigas
Fica o bairro em sobressalto

E na tasca do Desterro / Presta-se honra ao convidado
Como era senhor rico / Deu-se fim ao bailarico
Pra se cantar o fado

Foi indicada a Rosita / O velho fado cantou
Com seu vestido de chita / Vinha tão bela e bonita
Ao conde logo agradou

Nunca mais houve alegria / Desde essa noite famosa
E hoje, por fantasia / Se pergunta, dia a dia
O que foi feito da Rosa

Esse conde rufião / De muito dinheiro e fama
Pôs junto ao seu brasão / O mais nobre coração
Que havia na velha Alfama