- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Terreiro dos passos

Letra e música de: Amélia Muge
Repertório de Camané

Ai o calor de Dezembro
Girando à volta das casas

Fazendo festas na noite
De uma lareira apagada
Pasmada de iluminada

Ai a matéria dos sonhos / Sem outra vida que a nossa
Em bandos partem imagens / Doirando a luz insegura
Nas asas de feroz doçura

Quebrou-se o riso dos tédios / Na sua própria procura
Paradas ficam nas horas / As águas que não secaram
De desgostos que já se foram

Sei-me à volta disto tudo / Nada disto é coisa alguma
Virei eu mesmo na noite / Vestir o espaço do centro
Da casa onde nunca entro

Vinda da vida há uma sombra / Que encerra a vida que passa
E nessa sombra outra sombra / Mais escura que nenhuma
Sonhando a luz que esvoaça

Nos teus gestos que me tentam / Janelas de eu ver o mundo
Baloiça em jeitos de rede / O descanso dos sentidos
Em memória convertidos

Quem me achar que me procure / Quem me encontrar que me solte
Já estou para além deste arquivo / Onde tudo sabe a pouco
E onde eu morro no que vivo