- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As palavras

Manuela de Freitas / José Mário Branco *fado paço d'arcos*
Repertório de Camané 

São as palavas que eu digo
Meu abismo meu abrigo
Partilha de pão e espanto;
Lucidez que desatina
Chão sagrado onde germina
A semente do meu canto

Palavras a que eu entrego
Prazer e desassossego / Tormento e consolação
A quem pergunto e respondo
Quando me exponho e me escondo / Entre a crença e a razão

Palavras que reinvento
Meu desafio e sustento / Pedras de luz e de lodo
Companheiras do caminho
Maneiras de estar sózinho / Abraçando o mundo todo

Palavras que só mereço
Se em toca do que lhes peço / Der tudo o que posso dar
Se um dia as não merecesse
Que eu nunca mais as dissesse / E deixasse de cantar
Se um dia, as não merecer
Que as não consiga dizer / E que deixe de cantar