As 5.156 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Do Chiado ao Bairro Alto

Isabel Noronha / Marco Rodrigues e Rolando Semedo
Repertório de Marco Rodrigues

Do Chiado ao Bairro Alto, traço as linhas p’ra te ver
Do elétrico a correr saio e tropeço no asfalto
Que mais vai acontecer?
Boina torta, bota suja
Espero que ela não fuja de coração na mão
Hoje vou-te conhecer, vou gostar de ti ou não

Amanheceu e a sorrir eu acordei atordoado
Vá lá que o sonho já tinha acabado
A imaginar o teu rosto e a cantar, aperto o laço
Vou pôr a minha boina preferida
Pego a carteira, já estou pronto prá saida

Do Chiado ao Bairro Alto, traço as linhas p’ra te ver
Pró elétrico a correr entro e tropeço no salto
Que mais vai acontecer?
Boina torta, bota suja
Espero que ela não fuja de coração na mão
Hoje vou-te conhecer, vou gostar de ti ou não

Um malmequer, como sempre, na lapela fica-me bem
Roubei-o, porque não tinha um vintém
Pus o perfume que nunca me deixou mal, é o costume
Mas desta vez parece ser diferente
Ou serei eu que vejo amor em toda a gente?

Do Chiado ao Bairro Alto, traço as linhas p’ra te ver
Do elétrico a correr saio e tropeço no asfalto
Que mais vai acontecer?
Boina torta, bota suja
Espero que ela não fuja de coração na mão
Hoje vou-te conhecer
Falta pouco p’ra saber, vou gostar de ti ou não

Sempre a subir, cabelo despenteado, e atrasado
Vá lá que o Bairro Alto é aqui ao lado
A tua voz não me sai do pensamento e dá-me alento
P’ra descobrir os olhos que imagino
Valer a pena tropeçar em desatino
Vejo-te então, e o bater do coração chegou enfim
És mais do que sonhava para mim
E o malquerer do malmequer chegou ao fim

Do Chiado ao Bairro Alto