- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Diz-me mãe

Mário Raínho / Popular *fado menor*
Autor do texto declcmado Julio de Sousa
Repertório de Fernando Maurício

Introdução declamada
Tu não tens culpa mãe, de eu ser só isto
Havia dois caminhos... do Diabo e de Cristo!
Um terceiro inventei e nele me perdi
Então criei sózinho um outro mundo, tão forte, tão perfeito

Como a curva suave do teu peito que não vi;
Mãe, quero ser pequenino!
Que os meus primeiros passos sejam iguais

Aos do menino saído dos teus braços sem ambição
Tu não tens culpa mãe de eu ser só isto!... perdão

Diz-me, diz-me minha mãe

Na tristeza desta hora
Quantas dores eu te custei

E te dei p'la vida fora

Diz-me se quando dormia

Nesse teu colo divino
A tua alma não pedia

A Deus, pelo teu menino

Diz-me tu que me geraste

Meu vaso, minha raíz
Quantas lágrimas choraste

Pelas loucuras que fiz

Todas as dores do passado

E do presente também
Descansa-as neste meu fado

Boa-noite minha mãe