- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sei que pareço um ladrão

Mote de António Aleixo / Glosa de Carlos Conde / Popular *fado corrido*
Repertório de Rodrigo 

Sei que pareço um ladrão
Mas há muitos que eu conheço
Que não parecendo o que são
São aquilo que eu pareço

Ao nascer, fui bafejado / Com duas coisas diferentes
Pertencer aos indigentes / E viver com porte honrado;
Bem ou mal recompensado / Não faço nisto, questão
Só sei dizer de antemão / Que neste mar de tristeza;
Com toda a minha pobreza/ Sei que pareço um ladrão

Quem rouba não pode andar / Mal vestido, esfarrapado
Tem que andar aperaltado / Prós incautos enganar;
Só assim pode contar / Usando desse processo
Com o manifesto apreço / Que todos lhe dão, a rodos;
Não posso conhecer todos / Mas há muitos que eu conheço

Vou citar este ditado / Que já vem de muito longe
O hábito faz o monge / Que é pró caso, adequado;     
Se usa um nome afidalgado / Logo excelência lhe dão
Todos lhe apertam a mão / Vivem em alto esplendor;
Enganam seja quem for / Não parecendo o que são

Vão a festas elegantes / Como pessoas honestas
E no final dessas festas / Faltam jóias e brilhantes;
Foram os falsos importantes / Que deram na sala, ingresso
Com frases que eu desconheço / Bem vestidos, ardilosos;
Esses vulgares criminosos / São aquilo que eu pareço