- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da rua tranquila

Rodrigo de Melo / Georgino de Sousa
Repertório de Vicente da Camara

Minha rua sossegada
Onde se não passa nada
E se conhece quem passa
És como certas mulheres
Tão linda sem o saberes
Com graça sem querer ter graça

Não tens luxo e és ditosa
Não te compões e és formosa / Não és rica e vives bem
Minha rua pequenina
Onde brincaste em menina / E já brincou minha mãe

Trabalhas mas também amas
Quando o amor acende chamas / No olhar das tuas donzelas
És maneirinha e garrida
Governas a tua vida / E tens cravos nas janelas

Eu não tenho outra delícia
Que ir vivendo na carícia / De te dar minha amizade
Deixar-te era padecer
Era aprender a dizer / 
Esta palavra saudade