- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Revista de fados

Carlos Conde / Rapsódia de fados
Repertório de Fernando Maurício e Francisco Martinho

Adoro o Fado Corrido
Onde há sempre uma cantiga
A trazer-nos ao sentido
A fadistagem antiga

Se recordar é viver / Eu entendo, quanto a mim
Que não se deve esquecer / O velho Fado Franklim

E o Meia-noite, esse fado / Terno, meigo, saudosista
Que remiu todo um passado / Da boémia fatalista

Dois Tons, perene lembrança / Que alguém imortalizou
Traduz uma viva herança / Que o passado nos legou

E o Fado Carlos da Maia / Que nos lembra as horas mortas
Desde os círios da Atalaia / Ás ceias fora de portas

Não te esqueças do Menor / Ardente, sentimental
Que o Menor é o maior / Dos fados de Portugal

Também com arte e com brilho / Outro fado o povo entoa
Menor do Porto qe é filho / Desse Menor de Lisboa

Nesta revista de fado / Um merece a primazia
Seria crime e pecado / Esquecer o Mouraria