- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nasceu campino

Carlos Conde / Alfredo Correeiro *marcha do correeiro*
Repertório de Raúl Pereira

Enquanto o moço campino
Cercava toiro por toiro
Sem a força de aguilhões
O sol escorria a pino
A sua poalha de oiro
Nas lezírias de Pegões

Á tarde, já quando o gado / De pinta, raça e nobreza
Ruminava lentamente
O curro estava marcado / P’ra toirada a portuguesa

Na Praça de Benavente

Domingo, após a corrida / Exaltaram-lhe o valor
No oiro de uma medalha
E foi, durante uma vida / O mais fiel seguidor
Do Van-Zeller e do Palha

Hoje, apesar de velhinho / Ainda teima em ser escravo
Da saudade em que delira
Encontrei-o á bocadinho / Á porta do *Gado Bravo*
Em Vila Franca de Xira