- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cavalo ruço

Paulo José Carvalho Vidal / Frederico Valério
Repertório de Nuno Camara Pereira

Eu tive um cavalo ruço

Que se chamava gingão;
De uma capona bravia

Que eu queria e sentia
Como a um bom irmão

Era o cavalo mais lindo / Que nasceu no Ribatejo
Eu nunca tive outro assim

Tão manso que enfim / Ainda o desejo

Saltava que era um primor
/ Tudo fazia com graça
Era bom a tourear

A derribar sem vacilar / No campo ou na praça

Corria lebres com gosto / E nenhum galgo o passava
E quando o viam a correr

Com prazer, sem sofrer / A todos pasmava

A brincar lá na lezíria
/ O iam admirar
Ainda parece que o vejo

Á beira do Tejo / A correr e a saltar

Foi um toiro que o matou / Num dia de infelicidade
Eu nunca mais montei

Nem sei se o farei / Tal é a saudade