- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vem

Maria Rosário Pedreira / José António Sabrosa *6as*
Repertório de Carminho

Vem essa coisa qualquer
Como seta despedida
Direita ao meu coração
E eu choro e rio sem querer
Nunca de mim tão perdida
Pobre de mim tão sem chão

Que luz è essa que cega / Que desatina, atordoa
Que vem de dentro e m’invade
Que me transforma se chega / Mas quando parte, magoa
Num alívio e saudade

Vem essa coisa tão estranha / Dar-me um laço que desprende
Uma doçura que amarga
E eu pequenina e tamanha / Num corpo que não se rende
A uma estreiteza tão larga

Que graça è essa tão séria / Que corrói até ao osso
E me arde de tão fria
Dá-me tudo, até miséria / Vem meu amor que eu não posso
Viver assim mais um dia