- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A vida como ela é

Tiago Torres da Silva / Casimiro Ramos *fado três bairros*
Repertório de Joana Amendoeira 

Quando se tem pouca idade
Só se percebe a saudade
Se espreitarmos à janela
E ao vermos a mãe partir
Só pensamos em fugir
P’ra baixo das saias dela

Saudade é ter que ir prá cama
Após vestir o pijama / E sonhar com temporais
Mas por ter medo do escuro
Ir num passinho inseguro / Dormir prá cama dos pais

É estar com gripe ou anginas
Encharcado em aspirinas / E saber que os companheiros
Lá foram jogar à bola
No campeonato da escola / Mas não foram os primeiros

É o brinquedo estragado
É o sapato apertado / Que já não cabe no pé
É tudo o que ao ir embora
Nos obriga a ver agora / A vida como ela é