- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estes meus olhos

Moita Girão / João Alberto
Repertório de Mariana Silva

Dizes que eu era linda flor do teu jardim
A mais sincera, de mais encanto e perfume
Se me beijavas numa ternura sem fim
Não te lembravas que no amor há ciúme

E por tão pouco acabou-se o teu amor
Acabou, morreu a flor, a flor dos teus ideais
Foi amor louco, foi um sonho que passou
Já lá vai, já se acabou, acabou, não volta mais

Estes meus olhos, hoje não sabem chorar
São dois regatos que secaram no caminho
São pombas mansas esquecidas de voar
São andorinhas que se perderam do ninho

Estes meus olhos, cativos, sem liberdade
Presos no véu da saudade deste amor em que os perdi
Andam sem luz, perdidos da luz dos teus
Andam ceguinhos, meu Deus, ceguinhos de amor por ti