- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vidas iguais

Fernando Campos de Castro / Jaime Santos *fado alvito*
Repertório de Fernanda Moreira

Quando chegaste a meu lado
Tinhas o corpo cansado
De saudade e abandono
Deixaste em mim a loucura
Que dá luz à noite escura
Nas minhas noites sem sono

Peguei-te nas mãos abertas / E percebi descobertas
Que nunca tinhas vivido
Beijei-as tão docemente / Que descobri, de repente 
Que nunca as tinha sentido

E quanto mais eu me dava / O teu corpo se entregava
Como nunca o tinha feito
Deixando liberta e nua / A minha alma e a tua
Suspensas fora do peito

Era um amor que nascia / E a pouco e pouco acendia
Dois corpos na mesma chama
Duas vidas tão iguais / Em voos horizontais
No céu aberto da cama