- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O nosso fado hoje é do mundo

Rogério Oliveira e Mário Fernandes / Miguel Rebelo
Repertório de Miguel Rebelo

Chamam-lhe fado, vejo-o cantado de outra maneira
Maior ou menor, f
ala de amor, queira ou não queira
Ao ter nascido v
iu o destino como parteira
Guitarra e viola  s
ão berço e escola e paixão primeira

Nasceu vadio

E foi fugidio de boca em boca
Do cais às colinas
Por tascas e esquinas numa voz rouca
Andou embarcado
Nobre soldado do nosso chão
O "bem-amado"
Hoje é letrado, tem condição
É canto de um povo
Que por destino e por condão
Levou pelo mundo a nossa canção


Chamam-lhe fado, vejo-o cantado de outra maneira
Maior ou menor, f
ala de amor, queira ou não queira
Almiscarado, d
oce ou salgado, de traje novo
Engalanado, n
ão põe de lado o nosso povo